close

Franca tem uma morte por semana no trânsito; 11 são motociclistas

Thiago Garcia 09/04/2018 17:32

Uma morte por semana no trânsito. Somente neste ano, 17 pessoas morreram em ruas e avenidas de Franca (SP), sendo 11 delas, motociclistas, o que representa 64,7% das vítimas fatais em 2018.

A maioria das mortes envolveu jovens com menos de 30 anos. A última vida perdida aconteceu no domingo (8), quando uma motocicleta bateu contra um veículo Gol na Avenida Chico Júlio, nas proximidades da Cadeia Pública do Jardim Guanabara.

Com o impacto, a garota Gabriele Marques de Oliveira, de 22 anos morreu após cair da garupa da moto pilotada pelo namorado, Wellington Solano da Silva Ferreira de 24 anos que segue internado na Santa Casa de Franca (SP).

No último dia 3, morreu a motociclista Milena Fernandes Águida, de 31 anos, vítima de um acidente de moto, no bairro Santo Agostinho. A sapateira foi atingida por um veículo Fiesta conduzido por um homem, de 63 anos que não obedeceu ao sinal de parada obrigatória.

Já no final do mês passado, o frentista Anderson Fernando de Souza, de 37 anos também não resistiu após acidente envolvendo a moto em que ele pilotava na avenida Adhemar Pereira de Barros. O acidente aconteceu no dia 16, quando o frentista seguia para o trabalho em um posto de combustíveis na saída de Franca para Claraval (MG). 

E as mortes continuaram sendo registradas mês a mês na cidade. Em um único final de semana, dois homens perderam a vida vítimas do trânsito.

Manhã do dia 24 de março. Um jovem de 20 anos, morador do Jardim Esmeralda, conduzia uma moto pela avenida Wilson Sábio de Melo, sentido Distrito Industrial ao bairro Estação, quando atropelou um pedestre. Com o impacto, Brendon Rodrigues da Silva, bateu em um poste, caiu no canteiro central e devido aos graves ferimentos, o açougueiro morreu na hora.

Um dia antes, mais um motociclista morreu em acidente registrado na Avenida Paulo VI. Morador do Jardim Ipanema, Gabriel Antônio Elias Ferreira, de 20 anos conduzia sua moto quando no cruzamento com a Rua Mauro Antônio Comparini, uma jovem de 19 anos que dirigia um HB 20 avançou para atravessar a avenida e houve a colisão. Gabriel sofreu fraturas e vários ferimentos na barriga e foi socorrido à Santa Casa, mas não resistiu.

E no dia 18, a imprudência no trânsito fez mais uma vítima. Márcio José Soares, de 39 anos estava em uma moto, quando foi atingido por um veículo Fiesta que estava na contramão da rodovia Fábio Talarico. A tragédia foi marcada pela infeliz coincidência, já que no carro estavam o irmão e um amigo da vítima que morreu dias depois na Santa Casa.

Na madrugada do dia 28 de fevereiro, o lutador de artes marciais Leandro Sanches Damasceno, 29, bateu a moto que pilotava no muro de uma residência na Vila Nossa Senhora das Graças. Leandro chegou a ser socorrido e morreu horas depois.

Ainda em fevereiro, Murilo Henrique Oliveira, de 21 anos pilotava uma moto Yamaha na avenida Geralda Rocha Silva, no Jardim Tropical e bateu contra uma pick-up Montana. Murilo morreu poucos minutos após ser socorrido, já o amigo Railan Ribeiro que estava na garupa da moto sobreviveu ao acidente.

Em janeiro outras três mortes. O funcionário da empresa Coca-Cola, Gustavo Eurípedes Nascimento, 37 teve a frente cortada por um carro que atingiu a moto que ele pilotava, na região do Parque do Horto, no dia 28.

No dia 11, o sapateiro Luciano Oliveira Ribeiro, de 24 anos se envolveu em um acidente na avenida Reinaldo Chioca, no Parque dos Lima, quando por motivos desconhecidos bateu a moto contra um alambrado de um hipermercado às margens da pista.

Por fim, no segundo dia do ano, a avenida Abrahão Brickmann, no Jardim Luiza 2 foi palco das mortes dos amigos Patrick Luiz Cunha, de 21 anos e Nalber da Silva Barbosa, de 20 anos.

O acidente já dava indícios de um ano que começava violento no trânsito e que vem preocupando as autoridades, já que o número de mortes de motociclistas nos primeiros meses representa 52,3% do total de óbitos em 2017. Segundo dados da Polícia Militar, no ano passado foram 21 mortes.

Ainda de acordo com a PM, no ano passado 71% das vítimas eram homens e 66% mulheres. Os números ainda confirmam que quase metade das mortes no trânsito envolveram motos.

Por isso, uma campanha foi iniciada com objetivo de orientar a população sobre os cuidados que devem ser tomados para evitar os acidentes e por consequência as mortes no trânsito de Franca (SP), principalmente com o excesso de velocidade e outras imprudências.

Recentemente, o responsável pelo setor de Trânsito da Prefeitura, Márcio dos Santos, esteve em São Paulo (SP) e reforçou a necessidade de investimentos nas campanhas educativas no trânsito que devem ser intensificadas no município, juntamente com o Departamento Estadual de Trânsito (Detran-SP). “Queremos ampliar nesse sentido, as ações para garantir mais segurança no trânsito de Franca que tem sido motivo de preocupação. O Detran está disposto em firmar essa parceria para começarmos essas ações”, disse o responsável.


Podcasts
19/04/2018
Delegado Dalmo Polo fala sobre golpes e como evitá-los
18/04/2018
Motorista lota van com crianças e perde alvará
18/04/2018
Câmara aprova contas do ex-prefeito Alexandre Ferreira
18/04/2018
Servidores do Judiciários cobram reajuste salarial do TJ-SP
17/04/2018
Polícia Ambiental apreende 140 quilos de peixes
Radares em Franca

Av. Dr. Helio Palermo 60 km/h

Av. Brasil 60 km/h

Av. Alonso Y Alonso 60 km/h

Rod. Tancredo Neves 60 km/h

Av. Presidente Vargas 60 km/h

Av. Antonio B. Filho  60 km/h

 

Clima em Franca