close

Trote do curso de medicina da Unifran gera revolta e críticas

Redação Pop Mundi 05/02/2019 12:40

O trote universitário do curso de Medicina da Universidade de Franca (Unifran) que aconteceu nesta segunda-feira (4) se tornou alvo de críticas depois que vídeos foram publicados em redes sociais.

As imagens mostram jovens ajoelhados sendo submetidos à situação vexatória e durante o que seria uma espécie de “juramento” os calouros são “orientados” pelos veteranos a repetirem xingamentos e ofensas contra estudantes de outras instituições.

Veja o texto do trote: 

O Conselho Municipal da Condição Feminina (CMCF) emitiu na manhã de hoje (5) uma nota de repúdio contra o episódio marcado por “expressões de conteúdo machista, misógino e pornográfico”.

O documento ainda reforça que “o fato multiplica a gravidade da cena que mostra em poucos segundos os motivos que as mulheres têm para lutar contra uma realidade machista, com aumento acelerado de estupros e feminicídios que tantos menosprezam”.

Veja a nota na íntegra: 

A situação rapidamente ganhou repercussão e gerou revolta na internet. Em comunicado oficial, a Unifran disse que “repudia quaisquer atos que incitem preconceito, homofobia, machismo, discriminação, constrangimento ou equivalentes, praticados por membros da comunidade universitária, em particular aqueles relacionados aos chamados “trotes” aplicados aos novos estudantes”.

A instituição ainda esclarece que “os responsáveis pelos atos estão sendo identificados e serão penalizados, conforme previsto no Regimento Geral da UNIFRAN Art. 128, incisos III, VI, VIII e, em especial, o inciso V Penalidades de acordo com os artigos 132 e 133”.

Veja a nota na íntegra:

  


Podcasts
22/04/2019
Políticos convidam indústrias de Franca para se instalarem no RJ
21/04/2019
Escolas técnicas abrem inscrições para vestibulinho
17/04/2019
Líder do prefeito diz que contrato do transporte pode não ser renovado
17/04/2019
Kits escolares serão entregues até dia 30 na rede estadual; Ouça!
16/04/2019
Vândalos deixam rastro de destruição em escola do Jardim Éden